Relatório de Informações de Segurança Cibernética do Norton, 2016

Saiba como seus maus hábitos podem expor você ao crime online

Enquanto os hackers melhoram suas habilidades, os consumidores permanecem inertes

Em todo o mundo, 35% das pessoas têm pelo menos um dispositivo desprotegido, o que as torna vulneráveis a ransomware, sites maliciosos, ataques de dia zero e phishing. Os consumidores estão conscientes de que precisam proteger suas informações pessoais online, mas não se sentem motivados a manter uma proteção. De fato, em 2015, os criminosos cibernéticos lançaram cerca de um milhão de ataques por dia na Web contra usuários de Internet. (Fonte: ISTR)

 

 

A obsessão em manter-se constantemente conectado fragiliza os consumidores

O acesso ao Wi-Fi infiltrou-se em nossas vidas. 87% dos consumidores possuem Wi-Fi em casa. Também há um farto acesso ao Wi-Fi fora de casa, em cafeterias, aeroportos e bibliotecas. Infelizmente, muitas dessas redes Wi-Fi públicas são desprotegidas, deixando os consumidores vulneráveis a hackers.

Saiba como proteger suas informações em redes Wi-Fi públicas 

 

 

Consumidores admitem que o risco é real

No ano passado, 689 milhões de pessoas em 21 países foram vítimas de crimes cibernéticos. Os riscos online tornaram-se tão predominantes que muitos os consideram tão ameaçadores quanto os do mundo real. Muitas pessoas acreditam que ficou mais difícil manter a segurança online (63%) do que no "mundo real" (52%) nos últimos cinco anos.

Veja o impacto pessoal do crime cibernético na região em que você mora

 

Comparações globais

Entrevistamos 20.907 adultos com acesso a dispositivos móveis em 21 países para saber mais sobre suas atitudes, seu comportamento e seus hábitos de segurança online. Veja como foi o desempenho deles em relação aos perigos e custos financeiros do crime cibernético.

  • Dentre os países desenvolvidos, os Estados Unidos são os mais suscetíveis a ataques cibernéticos. Trinta e nove por centro dos americanos foram vítimas de crime cibernético ano passado, quando a média global é de 31%.
  • A Holanda foi o país menos afetado pelo crime cibernético em 2015 (14%), enquanto a Indonésia apresentou o maior índice de vítimas (59%).
  • Mais do que em qualquer outro país, 64% dos pais americanos acreditam que a probabilidade de seus filhos sofrerem bullying é maior online do que na área de recreação. Já na Alemanha, apenas 31% dos pais têm a mesma preocupação.
  • A maioria dos entrevistados afirma que, se tivesse que escolher, preferiria restaurar as configurações de fábrica dos smartphones a tornar público seu histórico de navegação.

Corte os maus hábitos

Com algumas medidas básicas, podemos fazer um grande progresso na redução do risco de crime cibernético:

  • Proteja suas contas com senhas únicas fortes, que usem uma combinação de, no mínimo, dez letras maiúsculas e minúsculas, símbolos e números.
  • Pense duas vezes antes de clicar em links aleatórios ou abrir mensagens e anexos não solicitados, principalmente se o remetente for alguém que você não conhece.
  • Não acesse informações pessoais ou contas de redes sociais em redes Wi-Fi desprotegidas.
  • Use um software de segurança nos seus dispositivos para ajudá-lo a proteger-se contra as ameaças mais recentes.

Saiba como proteger-se online